quinta-feira, 16 de julho de 2009

Comprei o certo?



Uma pessoa no supermercado. Aquela prateleira cheia de opções de azeites, e a escolha: um azeite que lhe agrade visualmente e financeiramente.
Ela chega em casa, abre e sente o aroma. Nisso, surge em sua cabeça, será que comprei o certo?
Para essa dúvida muito comum, estou aqui para ajudar na compra um azeite de qualidade e proporcional às suas necessidades.
Escolha entre um azeite extra virgem ou um virgem.
Se quiser um extra virgem, que são mais ‘leves’ ao paladar, preste atenção na acidez, que deve ser de 0,8%, enquanto o virgem não deve superar 2%.
Mas se aquela garrafa transparente, mostrando toda a cor verde-dourada do azeite te chamar a atenção, pense duas vezes. Prefira os vidros escuros, pois o sol ajuda o azeite a oxidar mais rápido, perdendo suas qualidades e características.
Fuja do ’anúncio’ de primeira prensagem, ou prensagem a frio. Afinal, os azeites são prensados a frio e obtidos na primeira prensagem, tornando assim, a informação redundante.
Compre uma embalagem que tenha a quantidade ideal para ser consumido em um mês, após esse período, ele perde suas qualidades e aromas específicos.
Vai uma dica importante, a regra do custo-benefício vale na hora da compra. Normalmente um azeite muito barato não é puro e não sofreu o processo adequado de engarrafamento e extração. Já o mais caro teve todo o cuidado merecido.
Só não ache que só porque é o mais caro do mundo, também é o melhor do mundo. O azeite, como qualquer outro alimento, tem sabores e tipos diferentes. Basta escolher aquele que te agrade.
Laura Reinas