sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Peru


Estou viajando, vou para o Peru.
Espero trazer novidades, embora não seja um país de consumo de azeites, tem uma culinária própria que talvez eu possa trazer adaptações.
Misturar ingredientes de culturas diferentes é meu mais novo desafio!
me aguardem com novidades!
desejo desde já um otimo ano novo e boas festas!

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Soleada



O grupo SOVENA lança mais um produto inspirado na modernidade da Espanha atual. Sou nome Soleada traduz o espírito da marca. Sua conotação positiva e inspiradora, aliada ao seu significado 'ensolarado', remete aos olivais espanhóis e o espírito atual que este a Espanha apresenta ao mundo.

O líquido dourado é uma saborosa alquimia de duas variedades de azeitonas espanholas Arbequina e Hojiblanca. Uma delas, a Arbequina, procedente da Catalunha, é considerada a preferida para exportação devido ao seu sabor leve e adocicado. Já a Hojiblanca, originária da região da Andaluzia, é uma típica azeitona espanhola com um gosto mais frutado e um pouco mais picante.
Fica aqui a dica para aqueles que querem provar mais um pedacinho da Europa.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Oba Gastronomia!

Anuncio desde já que estarei com uma coluna quinzenal no site obagastronomia.com.br
Não deixarei de postar aqui minhas novidades, ou mesmo trechos de artigos.
Não abandonarei esse blog, saberei dividir os conteúdos!
aproveitem!
deixo o link na lateral!
Laura Reinas

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Dias de chuva!




Aproveitando o dia de chuva, resolvi ficar em casa e mexer em minha geladeira.
Para alguns, tarefa chata, para outros, a descoberta de um novo mundo de experimentação.
Geladeira é coisa moderna! Antigamente, as pessoas ‘salgavam’ os alimentos para conservá-los, ou mesmo deixavam-nos em marinada.
Durante a Segunda Guerra Mundial, muita gente manteve alimentos em potes com muito azeite, para manter assim seus nutrientes e ter garantia do que comer.
O azeite salvou muita gente da fome, por ser um ótimo conservante e manter os nutrientes dos alimentos.
Até hoje fazemos conservas com azeite, isso, grande herança dos momentos difíceis.
Com a geladeira, perdemos um pouco dessa necessidade de conservar alimentos por longo prazo, mas não deixamos de apreciar uma ótima comida bem temperada e preparada com carinho.
Laura Reinas

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Sabores à mesa

Nossa,
minhas publicações estão a todo vapor!
pelo menos uma por semana!
Que felicidade!!!!
Segue mais um na seção de curiosidades do site SABORES À MESA.
http://www.saboresamesa.com.br/?file=dicas.php&title=Dicas%20&%20Curiosidades#85
Laura Reinas

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Correio gourmand

Uma seérie de artigos publicados no correio gourmand!!!!!
Fresquinhos!
http://www.correiogourmand.com.br/info_glossario_produtos_alimentos_azeites_e_oleos_azeite_de_oliva_variedades.htm
http://www.correiogourmand.com.br/info_glossario_produtos_alimentos_azeites_e_oleos_azeite_de_oliva_produtores_mundiais.htm
http://www.correiogourmand.com.br/info_glossario_produtos_alimentos_azeites_e_oleos_azeite_de_oliva_propridades_medicinais.htm
http://www.correiogourmand.com.br/info_glossario_produtos_alimentos_azeites_e_oleos_azeite_de_oliva_como_comprar.htm

Laura Reinas

domingo, 15 de novembro de 2009

Notícia internacional

Muito feliz!!!!!
Primeiro artigo internacional meu!!!!!!
Direto para um blog Americano, aqui segue um link para vocês aproveitarem!
É no site Crush and Press, de Bill Sanders.

http://crushandpress.blogspot.com/2009/11/laura-reinas-brings-us-olive-oil-from.html

Laura Reinas

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Participação no site Manga com pimenta

Mais uma matéria minha!
estou muito feliz, por que a cada dia que passa, conquisto meu espaço e vejo o reconhecimento!
Daqui pra frente, mais novidades e mais alegrias!

Laura Reinas

ps: aulas ainda programadas hein gente!
12/11 segunda 19:30
R$ 80,00 OU R$140,00 o casal
escola ORBACCO
http://www.orbacco.com.br/miolosite.asp?ativo=True&secao=Calend%E1rio
ou mais informações no link ao lado.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

mudança de horário

mudança de horário
a aula que seria na segunda feira dia 9 de novembro, foi transferida para o dia 12 de novembro, quinta feira!
mudem suas agendas!
Laura Reinas

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Aulas programadas

História do azeite, como escolher, benefícios para saúde, curiosidades, degustação.

27/10 Terça 19:30hs
R$ 105,00
escola STUDIO e SABOR
http://www.studiodosabor.com.br/agenda.htm

09/11 segunda 19:30
R$ 80,00 OU R$140,00 o casal
escola ORBACCO
http://www.orbacco.com.br/miolosite.asp?ativo=True&secao=Calend%E1rio
ou mais informações no link ao lado.

aguardo todos em aula!
Laura Reinas

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Simplicidade


Como pode um simples aroma trazer tantas lembranças?
Ao provar certa vez um azeite espanhol da região de Madrid, lembrei-me de minha bisavó, famosa por seus doces, e com sua casa que cheirava a madeira e horta. Uma casa bem antiga no interior de São Paulo.
Passava algumas férias na casa dela com minha avó, e toda vez ela me fazia um bife que não provei mais igual, alem de docinhos famosos de nata. Coisas de bisavó...
Aquele cheiro, tantas lembranças da minha infância.
Essa sensação de nostalgia que os aromas nos remetem, fazem parte da nossa vida. Perder isso seria como perder uma grande amiga.
Com tantas ocupações, não paramos nem para pensar que um simples fio de óleo de oliva em nossa sopa quente já traz uma sensação tão agradável de família, de calor e comida feita em casa.
Aromas, tão importantes em nossas vidas, mas muito negligenciados pela rotina.
Laura Reinas

domingo, 20 de setembro de 2009

Que frio!

Esse frio que acaba com nossa pele, me lembra de um período de guerras romanas, aonde seus soldados usavam óleos de oliva no corpo para se protegerem do frio, tornando assim uma tática para fugir do frio e agüentar mais as baixas temperaturas em ataques noturnos.
Usamos esses segredos ate hoje em dia, com óleos para passar em recém nascidos para evitar ressecamento da pele.
Óleos para passar na barriga das grávidas para evitar estrias e flacidez.
Óleos para perfumar o corpo e a casa.
Tantas utilidades, além de como condimento, que penso se às vezes não olhamos somente o que nos interessa ou o que nos convêm.
O azeite tem muitas utilidades e nutrientes que não nos damos conta por apenas achar que é um simples tempero.
Era muito usado como combustível de lâmpadas, lâmpadas essas que iluminavam livros e casas. Iluminavam castelos e alimentavam os povos.
Por isso é chamado de ‘ouro liquido’.
Tantas utilidades que nem nos damos conta de sua historia e praticidade.
E tudo, originado de um fruto que nasce de uma árvore muito resistente ao frio.
Laura Reinas

domingo, 13 de setembro de 2009

um caso de amor

Perdemos um aroma de um azeite por armazená-lo em local inapropriado ou, por esquentar, deixar passar da temperatura ideal. É a mesma coisa que perder um grande amor?
De certa forma, essa comparação é valida, considerando que grandes amores perdidos, são difíceis de serem reconquistados, da mesma forma que um azeite de uma safra especifica, é difícil de ser obtido novamente.
Casos de amor me lembram histórias rurais.
Uma senhora certa vez, me disse que seus pais haviam se conhecido em uma plantação de oliveiras, e que certamente ela tinha sido concebida sob uma.
Achei essa história engraçada e perguntei o que atraia tantas pessoas para a sombra daquela árvore.
Sua atração não vinha somente pela sombra ampla, mas também por ser uma árvore que traz madeira para os móveis, óleos combustíveis e frutos que se tornam iguarias.
Uma história de amor antiga que ainda dá certo e esperamos não perdê-la.
Laura Reinas

domingo, 30 de agosto de 2009

Pôr-do-sol


Sentada com meu cachorro só vendo o pôr-do-sol, percebo que não precisamos de muita coisa para ser feliz e apreciar um final de dia.
Basta um cachorro, um vinho e um petisco regado com muito azeite, lógico.
Imagino as pessoas que não se contentam com coisas simples e fáceis. Que precisam de provas de conquistas.
Apreciar um pôr-do-sol.
Apreciar uma boa comida e uma boa bebida.
Curtir a família e os bichinhos ao nosso redor.
Um bom vinho, uma boa companhia e um bom azeite. O que mais precisa para uma noite?
Antigos romanos já se alegravam com essas festas em homenagem a Bacco, Deus da bebida e da comida, com banquetes que duravam até quatro dias.
Comiam e descansavam sob oliveiras.
Árvore essa que ao entardecer, com os raios solares sobre suas folhas, a torna prateada, tornando suas plantações em um ‘mar prata’.
Árvore símbolo de muitas histórias e resistente após muitas guerras e crises.
Árvores que dizem, forma o motivo da Deusa Atenas ter ganho a cidade em seu nome, com uma disputa entre ela e o Deus Poseidon.
Ele que deu uma fonte de água salgada, e ela que deu uma oliveira, árvore que nos dá frutos, sombra, madeira e combustível.
Árvore considerada imortal por alguns, com seus galhos e troncos torcidos.
Laura Reinas

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Vinhos e azeites


Tantas coisas para serem faladas, mas a primeira é sem dúvida uma curiosidade pouco conhecida.
O vinho e o azeite, junto com a farinha, são um dos poucos alimentos inalterados há milênios.
Desde seus surgimentos até os dias de hoje, são usadas as mesmas técnicas de produção e plantação, sendo ajudadas nesse ciclo de uma forma externa, somente pelas máquinas.
A combinação desses três alimentos é fantástica.
Quem nunca se deliciou com uma massa ao dente, regada com um fio de azeite e uma taça de vinho de acompanhamento, deve fazer isso o mais rápido possível. É um dos prazeres da vida gastronômica, apreciado há tanto tempo pelos povos do mediterrâneo.
Sempre que possível tento fazer uma combinação entre vinhos e azeites.
E para isso, vale uma regra de ouro. Para um prato leve de sabor suave, um azeite frutado e pouco apimentado e um vinho suave que remeta a flores.
Para um prato com mais ‘corpo’ e sabores mais atenuados, um azeite mais apimentado e acido e o vinho mais forte e frutado.
Lembrar dessas regras é básico na hora de uma boa harmonia.
Suave com suave, e forte com forte.
Laura Reinas

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

como foi seu dia dos pais?

Um ótimo dia para mim.
Provei um azeite grego tão doce e suave, que sua harmonização com uma salada de verduras frescas e tomate já me contemplava.
Uma boa combinação de um azeite com um prato não só realça o aroma, mas também dá um toque de elegância, sentindo todos os sabores do alimento.
Essa harmonia do óleo ajuda em momentos prazerosos.
Ajudou também muitas civilizações em seu desenvolvimento e crescimento, e uma delas na Ilha de Creta, onde começou a difusão do óleo de oliva pela bacia do Mediterrâneo e local em que seus habitantes guardavam o óleo como ouro no Palácio de Cnosso (cidade de Creta, conhecida por prender o Minotauro em um labirinto).
Importante para o desenvolvimento de alguns povos, e importante para fortalecimento de laços.
Laura Reinas

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Simples


Como pode um simples aroma trazer tantas lembranças?
Ao provar certa vez um azeite espanhol da região de Madrid em minha sopa, lembrei de minha bisavó, famosa por seus doces, e com sua casa que cheirava a madeira e horta. Uma casa antiga no interior de São Paulo.
Passava algumas férias na casa dela com minha avó, e toda vez ela me fazia um bife que não provei mais igual, além de famosos docinhos de nata. Coisas de bisavó...
Aquele cheiro, tantas lembranças da minha infância.
Essa sensação de nostalgia que os aromas nos remete, faz parte da nossa vida. Perder isso seria como perder uma grande amiga.
E com tantas ocupações, não paramos nem para pensar que um simples fio de óleo de oliva em nossa sopa quente já traz uma sensação tão agradável de família e de calor.
Laura Reinas

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Também do outro lado do mundo.


Para um país com hábitos milenares como o Japão, inserir o óleo de oliva em seu cardápio parece uma coisa utópica, mesmo com enorme influência européia e americana nos últimos séculos.
Isso já acontece desde 1881, em Kobe, local aonde foi produzido o primeiro azeite e com o porto de onde saiu o primeiro navio com imigrantes para o Brasil.
Seu pico de produção foi somente nos anos 60. Mas depois, sua produção sofreu uma queda e hoje em dia existe apenas uma pequena produção na província de Okayama e outra na ilha de Shodo.
Porém os azeites locais perderam mercado e são produzidos atualmente em pequena escala que mal suprem o mercado interno.Isso ocorreu com o aumento das importações, apesar do mercado consumidor crescer quase oito vezes nos últimos 20 anos.
Mesmo com sua culinária basicamente formada de peixes e frutos marinhos, tem uma alimentação muito rica e nutritiva, que o torna propício para a adoção de óleo de oliva em alguns de seus pratos com influência mediterrânea.
Laura Reinas

quinta-feira, 23 de julho de 2009

A oliva, o fruto.


A oliveira, tem um crescimento lento, podendo, nas condições mais favoráveis, gerar frutos ao fim de 5 anos após sua plantação,mas só com seu pleno crescimento após 20 anos.
Dos 35 aos 150 anos atravessa a sua maturidade e encontra-se em plena produção. Nessa fase, cada oliveira é capaz de produzir de 80 a 100 quilos de frutos por safra.
Depois dos 150 anos envelhece e o seu rendimento torna-se irregular.
A oliva, conhecida como azeitona também, é o fruto das oliveiras.
Esse fruto é riquíssimo em óleo comestível e pode ser ingerido de várias formas, tanto cru, como cozido ou em conserva.
Ele nasce com uma cor verde, e depois, conforme seu amadurecimento, passa por estágios de cor como castanho, vermelho e roxo até ficar preto.
As olivas podem ter dois destinos apos serem colhidas. Sabendo seu destino, podemos saber seu modo de colheita e sua fase de colheita.
Para as olivas de mesa, o ideal é a colheita manual, evitando assim certos ‘machucados’ nos frutos. E para o azeite, deve-se esperar a época certa por que assim apresentam maior percentual de óleo no fruto.
As olivas não muito maduras produzem óleo de melhor qualidade. Não são utilizadas em conservas e são mais difíceis de colher.
Já as mais maduras, são usadas para a mesa, principalmente em conservas.
As olivas de mesa se classificam em três categorias:
Olivas verdes:apresentam cor verde amarelada,e sao colhidas quando atingem seu tamanho ideal.
Olivas mistas:sao frutos colhidos durante a mudança de cor, antes da maturação completa.
Olivas pretas:frutos com maturação completa, com cor preta que deverá se manter inalterada com o processamento.
Logo após a colheita, as olivas passam por um processo de seleção, para serem retirados galhos, folhas e alguns frutos que não estão ideais para o consumo, separados por tamanho e tipo.
Para uma textura final ideal, o fruto deve estar com o amadurecimento na fase certa.
Apesar de ser benéfica para a saúde, a oliva é composta também por gordura, o que a torna muito calórica, sendo ideal consumi-la como aperitivo, ou usa-la como tempero de saladas, carnes e massas.

Laura Reinas

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Comprei o certo?



Uma pessoa no supermercado. Aquela prateleira cheia de opções de azeites, e a escolha: um azeite que lhe agrade visualmente e financeiramente.
Ela chega em casa, abre e sente o aroma. Nisso, surge em sua cabeça, será que comprei o certo?
Para essa dúvida muito comum, estou aqui para ajudar na compra um azeite de qualidade e proporcional às suas necessidades.
Escolha entre um azeite extra virgem ou um virgem.
Se quiser um extra virgem, que são mais ‘leves’ ao paladar, preste atenção na acidez, que deve ser de 0,8%, enquanto o virgem não deve superar 2%.
Mas se aquela garrafa transparente, mostrando toda a cor verde-dourada do azeite te chamar a atenção, pense duas vezes. Prefira os vidros escuros, pois o sol ajuda o azeite a oxidar mais rápido, perdendo suas qualidades e características.
Fuja do ’anúncio’ de primeira prensagem, ou prensagem a frio. Afinal, os azeites são prensados a frio e obtidos na primeira prensagem, tornando assim, a informação redundante.
Compre uma embalagem que tenha a quantidade ideal para ser consumido em um mês, após esse período, ele perde suas qualidades e aromas específicos.
Vai uma dica importante, a regra do custo-benefício vale na hora da compra. Normalmente um azeite muito barato não é puro e não sofreu o processo adequado de engarrafamento e extração. Já o mais caro teve todo o cuidado merecido.
Só não ache que só porque é o mais caro do mundo, também é o melhor do mundo. O azeite, como qualquer outro alimento, tem sabores e tipos diferentes. Basta escolher aquele que te agrade.
Laura Reinas

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Turquia,e o azeite cultural.




País que chama a atenção por sua ‘ocidentalização’ e beleza natural com uma paisagem singular e combinações de influências culturais diversas, além de praias paradisíacas e nascentes dos rios Tigre e Eufrates.

É um país de antiga tradição oléica: primeiro os bizantinos, e depois os seljúcidas e otomanos os grandes protetores da oliva e divulgadores de seu consumo. Por isso não é coincidência que o país com maior história na Bacia Mediterrânea, seja também um dos mais importantes na produção e consumo.

O país é um grande importador para países como Japão, Federação Russa e diversos países da América. E países como Itália e Espanha também compram muito de seus produtos, para serem misturados em seus países e vendidos como azeites ‘tipo espanhol’ e ‘tipo italiano’.

Muito importante também por ser usado também em um tipo de luta tradicional do país, chamada de yagli gures (literalmente ‘luta azeitada’, como tradução),existente à mais de 4 mil anos, e são realizadas em junho-julho na cidade histórica de Edirne ou Adrianópolis. Essa luta tem um fundo religioso/espiritual, por isso, num gesto de demonstração de equilíbrio e respeito mútuo, os lutadores besuntam o corpo com o óleo para demonstrar harmonia entre a matéria e o espírito.

Laura Reinas

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Sim, nós temos azeite!

Seguindo a lógica de que na Argentina e no Chile a produção de azeite é de qualidade, por que não no Brasil?

Produtores de azeite brasileiro carregam uma grande tarefa ao cultivar uma grande fazenda de oliveiras na Serra da Mantiqueira, divisa com os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, com suas mudas adaptadas às condições climáticas, que não são muito favoráveis fora da região mediterrânea.

Embora a primeira colheita tenha sido frustrada, por causa das chuvas de granizo que ocorrem na região, a expectativa ainda é grande de que um dia ainda produzam com qualidade e em grande escala como em países europeus como Portugal e Espanha, exemplos de sucesso e tradição na produção desse grande fruto.

Esse passo para a produção de azeite nacional pode ajudar também em nossa economia, diminuindo a dependência de importação e ajudando na agricultura.

Agora é só torcer para tudo dar certo e quem sabe não viramos referência internacional também com azeites?

Laura Reinas

terça-feira, 7 de julho de 2009

Benefícios do óleo



Usado antigamente como remédio, símbolo sacro, cosmético, combustível e principalmente alimento, o óleo de oliva mantém um mercado que agrada a ‘gregos e troianos’.

Além de lendas e fatos históricos, o óleo de oliva ganhou umlugar nas pesquisas científicas como alimento funcional por equilibrar os ácidos grassos e alguns componentes presentes que ajudam na estrutura e funcionamento do corpo todo.

E por ser retirado direto do fruto, e não da semente como
outros óleos, é uma grande fonte de vitaminas, minerais, antioxidantes e
gordura monoinsaturada, considerada neutra por ajudar a elevar o nível de
colesterol ‘bom’, o HDL, e ajudar a reduzir o colesterol ‘ruim’, o LDL.

É considerado o quarto alimenta mais importante do mundo atrás somente do trigo, arroz e açúcar, e é recomendado para todas as idades, desde crianças, considerado ótimo para o desenvolvimento e crescimento, até para adultos, ajudando nas funções metabólicas.


Laura Reinas

História da oliva


O azeite (ou óleo de oliva) acompanha a história do homem, e como a farinha e o vinho,são uns dos poucos alimentos inalterados há milênios.
O azeite pode ser considerado o melhor símbolo da civilização mediterrânea, por ser uma árvore que suporta condições adversas de clima e solo sendo consideradas imortais, tornando-se símbolo de abundância e glória.
É difícil dizer com precisão quando começou o culto pelo azeite, mas podemos afirmar que começou por volta de 5000 a.C. nas terras férteis que se estendem entre o rio Tigre e Eufrates.
A comercialização desde produto era feita através de navios velozes que eram carregados de vasos e sacos de pele de cabra, que eram direcionados principalmente para o Egito,onde os corpos eram, tradicionalmente, embalsamados com azeite.
Porém começou em Creta, a difusão do azeite pela bacia do Mediterrâneo, aonde foram
inventados os aparelhos de prensa de olivas, rústicos e de pedras.
A civilização cretense deve seu crescimento e riqueza no comércio ao óleo, que
era guardado como ouro nos no palácio de Cnosso, em seu depósito gigantesco, que mais tarde foi queimado pela alta capacidade de combustão do óleo.
Com 6000 anos as margens do mediterrâneo, foram introduzidas na península Ibérica pelos fenícios por volta do ano de 1050 a.C.
Dois séculos depois de Cristo, já era reconhecida a importância do óleo de oliva na
civilização, e depois de dois mil anos, não teve muita diferença em sua utilidade, perfumando a mesa de milhares de pessoas da China à Europa, e da
América do Sul à África.
Para entendermos porque a oliveira durou muitas gerações, diremos que o óleo
também era usado como combustível de lâmpadas, enquanto sua madeira somente
poderia ser usada como combustível nos altares de antigos deuses.
Contudo, após tantas guerras, destruição e abandono, muitas oliveiras morreram, e o azeite se torna um bem raríssimo e precioso, e como sua produção estava nas mãos de
pequenos produtores, esses não eram capazes de atender aos enormes pedidos, contribuindo para o fiasco e à doação de seus terrenos à sede apostólica e hospitais.
Começaram então a atender pedidos somente dos nobres, mas como os fazendeiros também
começaram a apreciar o ’líquido dos deuses’, começaram a produzir para eles mesmos também, já que consideravam falta de respeito desperdiçar sequer uma gota.
A partir do século I então, começa a ter novos incentivos à agricultura, tornando assim junto com ela, um grande símbolo do renascimento.


Laura Reinas

Minhas aulas



Conto um pouco sobre a importância desse liquido precioso, mostro a historia da trajetória da oliva pelo mundo, e como ela se ‘espalhou’ pelo mediterrâneo; explico o processo de plantio da oliva e da obtenção do azeite.

Como comprar um azeite de qualidade,suas qualidades e caracteristicas tipicas;Alem de ensinar o método de degustação e combinação com alimentos.

essa é minha programação de aulas:

AULA DEGUSTAÇÃO DE AZEITES ITALIANOS - NOITE

Duração: 04 horas
Data de início: 16/07/2009


AULA DEGUSTAÇÃO DE AZEITES PORTUGUESES - NOITE
Duração: 04 horas
Data de início: 30/07/2009


AULA DEGUSTAÇÃO DE AZEITES DO MUNDO - NOITE

Duração: 04 horas
Data de início: 18/08/2009


segue o link da escola que estou dando aulas no momento para inscrições e informações.

http://www.cegastronomia.com.br/index.php?c=ccurso&a=listar&tid=9